Busca:

Espaço do Compositor

POR ELVIS TAVARES
elvistavares@efratamusic.com.br
Imprimir esta matéria Enviar para um amigo Ver todos as matérias

A explosão dos corinhos de fogo

Publicado em 09-05-2008

Tags: cantores(as) e bandas  história da música gospel  

Vino Santos no escritório da EFRATA MUSIC

Respondeu João a todos, dizendo: Eu, na verdade, batizo-vos com água, mas eis que vem aquele que é mais poderoso do que eu, do qual não sou digno de desatar a correia das alparcas; esse vos batizará com o Espírito Santo e com fogo. Doutor Lucas 3:16

Com base na letra da Constituição-Cidadã de 88, vemos a liberdade de culto sendo, largamente, posta em uso no Brasil, através das variadas denominações evangélicas criadas, cotidianamente.

Destaque-se que nem sempre essa liberdade existiu por aqui. Tal absurdo era positivado na Magna Carta de 1824, onde o texto legal determinava que o catolicismo fosse a religião do Império, tolerando-se o seguimento a outras crenças, porém, restringindo aqueles credos ao interior das casas, sem que se permitisse a exteriorização dos cultos em templos, restrição esta fulminada pelo Marechal Deodoro da Fonseca, na Constituição seguinte, já pelo advento da República.

Osvaldo Nascimento
Histórias contadas atenho-me, por agora, às denominações da igreja evangélica que professam o pentecostalismo, concentrando-me com mais afinco à parte musical que é nosso norte nesta página eletrônica.

Assim como vinga na pop music, dentro do gospel também abundam os estilos musicais, como, exempli gracia, a conhecida “música de fogo”.

Credito ao veterano Osvaldo Nascimento, cantor paulista, a ousadia de ser um dos primeiros a trazer em disco - de vinil, diga-se de passagem - canções que tinham liame explícito com a citação bíblica lançada no alto deste texto.

A incendiária “Manda fogo”, gravada nos anos iniciais da era de 80, mostrava bem o que significava essa nova faceta da música religiosa. O refrão pontuava: “manda fogo, manda, meu Senhor, quero sentir teu poder, manda fogo, manda, meu Senhor, faz meu coração arder...”.

Cícero MendesEdynaldo do RioAlice Maciel
Depois da investida do incansável Osvaldo, viu-se um hiato de cerca de dez anos até que as labaredas musicais voltassem à tona com força (ou chama) considerável.

Cite-se que Carlos de Oliveira abandonou a fase das baladas à la Ozéias de Paula e mergulhou, definitivamente, nas águas das músicas pentecostais.

Vino Santos, cantor e compositor morador do RJ, ligado à Assembléia de Deus, compôs uma “música de fogo” com três estrofes, incluindo-a no primeiro disco indie que gravou. Inusitadamente, somente o coro (por isto “corinho”) do xaxado Jacó segurou o anjo espalhou-se pelo País inteiro, tornando-se numa das obras mais conhecidas do Brasil, tendo regravações da Banda Salvador, Andréia Sorvetão, Fernandes Lima, entre outros.

Projeção significante teve, igualmente, Edynaldo do Rio, com a fabricação de seus discos compactos.

Além de Jacó segurou o anjo, pega por empréstimo do colega Vino Santos, para regravação, Edynaldo utilizou-se de Deixa o Espírito Santo te envolver (Sofia Cardoso) bem como de Batalha travada, O anjo do movimento, Barreira e Queima ele, todas estas na boca do povo, como diria um antigo apresentador televisivo.

No mesmo trilho caminharam Cícero Mendes, Léo de Jesus, Anderlino José e mais recentemente a nordestina Alice Maciel, que gravou as músicas Você não pode desistir (Eduardo Silva) e Barreira (Cícero Nogueira), editadas na EFRATA MUSIC.

Os “corinhos de fogo”, espantosamente, tiveram ótima repercussão, inclusive na mídia, embora fossem produções, na maioria dos casos, dotadas de poucos recursos capitais.
Elvis Tavares é advogado, pós-graduando em propriedade intelectual pela PUC/RJ, cantor, compositor, produtor, escritor e manager da Efrata Music
Copyright Efrata Music Editora
Desenvolvido por Universo Produções